sábado, 31 de julho de 2010

Quinta da Alorna Reserva Chardonnay 2008 Branco

Português:

Vinho monocasta feito a partir de Chardonnay.

Aparência:
Cor amarelo palha. Lágrima escorre lentamente no copo.

Aromas:
Nariz aromático e sugestivo. Cheira a mel e frutos de caroço maduros.

Palato:
Este vinho é particularmente sensível à temperatura e porta-se melhor a nível de sabor na zona dos 12ºC. Por isso deixe o vinho aquecer quando servido.
Tem um ataque com mel o que torna o vinho apetitoso na boca no início. O aroma é robusto e transmite alguma opulência na boca. A seguir o sabor a mel desaparece e dá lugar a fruto de caroço maduro, saboroso, quase mastigável, com uma envolvente de baunilha conferido pelo estágio pela madeira. É um vinho meio-seco, com corpo médio. Tem uma acidez um pouco elevada, que apesar de ser característico da casta podia ser mais contida. Apesar dos 14ºC, não se nota intromissão do álcool.

Final:
Longo.

Conclusão:
Acompanhou perfeitamente uns camarões grelhados. Gostei particularmente do desdobramento e definição do sabor.

Site do produtor:
http://www.alorna.pt

English:

Single variety wine made from Chardonnay.

Appearance:

Straw yellow colour. Tear runs slowly into the glass.

Aroma:
Aromatic and suggestive nose. Smells like honey and ripe stone fruit.

Palate:
This wine is particularly sensitive to temperature it's served thus consume at 12 ° C.
It has an attack with honey which makes the wine very flavourful. The aroma is robust and brings some opulence. Then honey disappears and gives it's way to ripe stone fruit, tasty, almost chewy, with some vanilla hints. It is off-dry with medium body. It has a slightly higher acidity, which despite being a variety characteristic could be a little bit restrained. Despite the 14 º C, no noticeable interference from alcohol.

Finish:
Long.

Conclusion:
Paired perfectly with grilled prawns. Particularly liked flavour definition.

Producer's web site:
http://www.alorna.pt

2 comentários:

DAlves disse...

Esse ácido e doce deixou-me confuso, até porque não gosto de vinhos demasiadamente ácidos. O mel indica-me que o vinho talvez já tivesse passado o seu auge. Acha que sim? Pensa que talvez seja mesmo para guardar uns tempos? O Chardonnay costuma primar por essa frescura que fala. Já provou outra colheita mais recente?

Ligurio disse...

Viva:

O vinho é mesmo assim. O Chardonnay é uma casta que apresenta um bom grau de acidez o que confere vida ao vinho em detrimento de ficar murcho. O Chardonay em particular apresenta um grau de acidez muito bem balanceado que não chega a atingir um grau crispado e que é do seu desagrado e de muitos outros consumidores. Se calhar por isso, em Portugal, nos últimos três anos temos assistido ao lançamento de novas colheitas com acidez residual que transforma o vinho em algo sem grande história.

Relativamente ao melado, esta não é uma característica da casta. Normalmente encontra-se sabores a pão com manteiga e a frutos de caroço - alperce, pêssego. Resulta claro que se trata da adaptação da casta ao solo e à natureza do estágio que foi conferido. Mesmo assim julgo ser um produto interessante para o preço, por oposição à combinação Arinto/Chardonnay do mesmo produtor que tem muita procura no mercado mas não é muito do meu agrado. Para mais informações seguia o link seguinte:

http://drinkedin.blogspot.com/2011/09/add-wine-label-quinta-da-alorna-reserva.html